Terça-feira, 5 de Junho de 2007

Mark Wigley – Void Set


 

Mark Wigley marcou um dos momentos mais altos da conferência internacional com uma apresentação intitulada “Void Set”.

O ponto de partida para a sua exposição começou como a interrogação sobre a cidade contemporânea enquanto espaço de cenografia. No teatro da cidade o arquitecto providencia o palco. O “actor” tornou-se uma espécie de audiência, e a audiência é também “performer”. Estamos todos num palco, numa performance contínua em que se dissipou a fronteira entre palco e bastidores. “A cenografia é realidade e nós somos cenografia”. Entre a verdade de um objecto e o seu efeito, qual pode ser o verdadeiro lugar da arquitectura?

 

“Os arquitectos só conversam uns com os outros, e só falam sobre arquitectura, não têm fins-de-semana, sacrificam tudo pela arquitectura e às vezes conversam com os arquitectos mortos e há uma grande conversa com os arquitectos mortos sobre a possibilidade da arquitectura como verdade”.

 

Prosseguiu falando da dificuldade em abordar o próprio tema: “Estamos aqui há horas e a palavra ‘vazios’ não apareceu em nenhuma discussão. Vocês cobraram bilhetes para as pessoas virem até aqui ouvir falar de uma palavra que nunca vai ser dita? Este assunto é tão importante que não pode ser falado?”

 

Questionou a forma como os arquitectos abordam o problema dos vazios numa realidade urbana cada vez mais densa e intensificada – a necessidade de remover o vazio por uma centralidade, de preencher o vazio. “E se esse for um erro? E se o vazio se tornar ele mesmo num centro; o vazio como elemento contrastante da densidade? Qual é então, hoje, o papel do vazio?”.

Wigley avançou a ideia de uma arquitectura enquanto sistema de vazios – “o vazio é a substância da ausência”. “Os vazios são a verdadeira essência da arquitectura”.

 

“Um arquitecto é alguém que muito simplesmente não sabe o que é um edifício”. Alguém que se interroga sobre a sua natureza, para quem o objecto arquitectónico não é um objecto sólido mas uma experiência complexa e misteriosa. O seu trabalho é assim aprofundar a fragilidade da experiência arquitectónica do objecto sólido, criando um momento de hesitação e descoberta. “O nosso amor pelos edifícios resulta de não sabermos realmente o que eles são”.

“Os arquitectos constroem possibilidades”. Por isso, “um vazio é uma interrogação; um convite à experiência”. “O vazio está no coração da cidade, no seu núcleo. Existe uma necessidade estrutural do vazio. O vazio é, na verdade, infraestrutura”.

 

Na sessão de debate, Mark Wigley aprofundou algumas das suas ideias. “Ser arquitecto é sacrificar-se por uma arte que não é amada”. Porque é sempre colocada à prova, os arquitectos têm de agir como se estivessem certos daquilo de que o público duvida. “Mas nós não sabemos – e isso é teatro; é performance”. Como um actor, assim descreveu Wigley, o arquitecto sofre, mas sofre alegremente. “O arquitecto é uma figura de crise”, um profissional da complexidade, perito não em oferecer respostas mas em encontrar novas formas de olhar para as perguntas e interrogações do seu tempo.

 

 

Mark Wigley’s presentation – “Void Set” – was one of the highlights of the international conference.

 

Wigley started by questioning the role of the contemporary city as a space of cenography. In the theatre of the city, the architect provides the stage. The performer becomes a kind of audience, and the audience is also a performer. We are all in a stage, in a continuous performance where the frontier between front and backstage has disappeared. “Cenography is reality and we are cenography”. Between the truth of an object and its effect, what is the truth of architecture?

 

“Architects only talk to each other, and they only talk about architecture, they have no weekends and sacrifice everything for architecture. And sometimes they talk to dead architects and there is this big conversation with dead architects about the possibility of architecture as representing the truth”.

 

He proceeded addressing the difficulty to approach the very subject of the conference: “We have been here for hours and the word “voids” hasn’t appeared in any discussion. You charged tickets for people to come here and talk about a word that will never be spoken? This subject is so important it cannot be talked about?”

 

Wigley questioned the way architects deal with the problem of the “void” in an urban reality that is growingly denser – the need to remove the void for a centrality, to fill the void. “What if this is a mistake? What if the void becomes the centre; the void as a contrasting element of density? What is then, today, the role of the void?”

 

Wigley described architecture as a system of voids – “the void is the substance of emptiness”. “Voids are the very essence of architecture”.

 

“An architect is someone who simply doesn’t know what a building is!” Someone who questions its nature, for whom the object of architecture is not the solid object but a complex mysterious experience. Our work is to study the fragility of the experience of the solid object, creating a moment of hesitation and discovery. “Our love for buildings is that we really don’t know what they are.”

 

“Architects construct possibilities”. For that reason, “a void is a question; an invitation to experience”. “The void is in the heart of the city, in its core. There is a structural need for the void. Void is actually infrastructure”.

 

In the following debate, Wigley developed some of his ideas. “To be an architect is to sacrifice for an art that is not loved”. Because it is always being questioned, architects have to act as they are absolutely certain of that which the public doubts. “But we don’t know – and that is theatre; it is performance”. As an actor, so described Wigley, the architect suffers, but he suffers gladly. “The architect is a figure of crisis”, a professional of complexity and multi-tasking, an expert not in offering the answers but in finding new ways of addressing the questions and interrogations of its time.

 

publicado por trienaldelisboa às 11:02
permalink | comentar


trienal de arquitectura de lisboa
lisbon architecture triennale

_
_

sobre / about

A Trienal de Arquitectura de Lisboa, a realizar entre 31 de Maio e 31 de Julho, pretende constituir-se como um “Festival” de arquitectura participado pela comunidade local para atrair um público internacional (mais informação em trienaldelisboa.sapo.pt).
O Blogue da Trienal dará uma cobertura actualizada e participada de todos os acontecimentos do evento.

_
The International Architecture Triennale of Lisbon 2007, happening between May 31 st and July 31 st, aims to become a ‘Festival’ of architecture, participated by the local community and able to attract an international audience (find more in trienaldelisboa.sapo.pt).

destaques / highlights


_

_
Vazios Urbanos / Urban Voids
Catálogo expositivo, Caleidoscópio.
Exhibition catalog, Caleidoscópio.

_

_

_
Espaço / Space
Música de Mário Laginha. Em concerto, Culturgest, 26 de Junho. CD já à venda.
Music by Mário Laginha. In concert, Culturgest, June 26th. CD out now.

notícias / news (pt)

_
Vittorio Gregotti recebe Prémio Trienal Millenniumbcp 2007-07-30
_
Encerramento da Trienal no exterior do Pavilhão 2007-07-27
_
Outdoors das Intervenções da Cidade já estão na rua 2007-07-27
_
Farol Museu de Santa Marta inaugura amanhã 2007-07-26
_
Cavaco Silva entrega Prémio Trienal Millenniumbcp 2007-07-25
_
Lisboscópio na Gulbenkian até 12 de Agosto 2007-07-23
_
Ordenamento do território em debate 2007-07-23
_
Exposição Siza Vieira prolongada até dia 9 2007-07-23
_
Arte Pura cancela apresentação 2007-07-19
_
Aires Mateus, Frederico Valssassina, Gonçalo Byrne e Nuno Mateus apresentam projectos imobiliários 2007-07-16
_
Princesa do Luxemburgo visita Trienal 2007-07-17
_
Projectos de empresas no Fórum Trienal 2007-07-16
_
Luca Barbero na Gulbenkian 2007-07-16
_
Conferência sobre Médio Tejo no Fórum Trienal 2007-07-16
_
Dia do Japão na Trienal 2007-07-14
_
Intervenções na Cidade no Fórum e na rua 2007-07-14
_
Trienal em Cascais 2007-07-13
_
Trienal grátis no dia 15 2007-07-12
_
Resultados Concurso de Ideias Galp 2007-07-06
_
Desertificação urbana no Fórum Trienal 2007-07-06
_
Livro de Rui Tavares no Lounge Trienal 2007-07-06
_
13 de Julho: Dia da França na Trienal 2007-07-05
_
Palestras brasileiras na Trienal 2007-07-03
_
Prémios e debates no Fórum Trienal 2007-07-02
_
Arquitectura virtual a 4 Julho 2007-07-02
_
A caminho do país das maravilhas 2007-07-02
_
Candidatos à CML visitam Trienal 2007-07-02
_
Visita à Trienal a partir do Porto 2007-07-02
_
Trienal promove visitas guiadas 2007-06-28
_
Uma Bolha de Neve no Pavilhão de Portugal 2007-06-28
_
Vencedores do Concurso Trienal Universidades 2007-06-27
_
Nunes Correia na Trienal de Lisboa 2007-06-27
_
Festa de Encerramento dos Encontros A&M 2007-06-26
_
Frentes de Coesão no Fórum Trienal 2007-06-26
_
Scape na Culturgest 2007-06-25
_
Frentes de Terra no Fórum Trienal 2007-06-21
_
Entrega dos prémios APDL 2007-06-20
_
Fórum Trienal inaugura hoje 2007-06-20
_
Paulo Mendes da Rocha na Trienal 2007-06-19
_
Teatro, música, cinema e conferências no Dia da Irlanda 2007-06-18
_
Rafael Toral na Gulbenkian 2007-06-18
_
Resultados Concurso Núcleo Universidades 2007-06-18
_
Visitas guiadas à Trienal 2007-06-18
_
Candidatos à CML visitam Trienal 2007-06-18
_
Pólo III da Trienal inaugura amanhã 2007-06-14
_
Concurso Médio Tejo em exposição itinerante 2007-06-13
_
Conferência de Siza Vieira no CCB 2007-06-12
_
Itinerário do Sal na Gulbenkian 2007-06-10
_
Pólo II da Trienal inaugura hoje 2007-06-10
_
Diogo Seixas Lopes na Conferência Internacional 2007-06-08
_
Saskia Sassen na Conferência Internacional 2007-06-05
_
Mark Wigley na Conferência Internacional 2007-06-03

links

_
Trienal de Arquitectura de Lisboa
_
Trienal Flickr Pool
_
OASRS
_
OASRN
_
Arquitectos.pt
_
Road to Wonderland
_
Galeria Luís Serpa
_
Kubik Lisboa
_
Cultour
_
Arquitectura.pt
_
Portal Vitruvius

tags

todas as tags

 

arquivos / archives

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

artigos recentes / recent posts

Agradecimento

Outdoors das Intervenções...

1ª Trienal de Arquitectur...

A Trienal em imagens

Trienal encerra com “Luga...

Vittorio Gregotti vence P...

Prémio Carreira Internaci...

Debate Intervenções na Ci...

Inner City em exposição a...

Exposição Siza Vieira pro...

Fórum Trienal debate orde...

Lisboscópio

Dia do Japão

Lisboscópio na Gulbenkian

Intervenções na Cidade vã...

Dia da França na Trienal

Palestras Brasileiras – V...

Dia da França

Álvaro Siza no Museu da E...

Cordoaria Nacional

Palestras Brasileiras

Novos Caminhos no Fórum T...

Grupo da Trienal de Arqui...

Encontros Arquitectura e ...

Fórum Trienal na Cordoari...

Paulo Mendes da Rocha

Dia da Irlanda na Trienal

Conferência com Paulo Men...

As muitas exposições da T...

A cidade como arquitectur...

Música na Trienal

Conferência de Siza Vieir...

Elizabeth Diller – High L...

Sons no Espaço

Agenda da semana

As Operações SAAL

Arquitectura e Música

Casa das Histórias e Dese...

Mark Wigley – Void Set

Road to Wonderland

Exposição Cascais XXI

Conferência Internacional...

Conferência Internacional...

Conferência Internacional...

Começou a Trienal

A Trienal vai começar

Espaço

Conferência Internacional...

Semana de abertura

Já só faltam 3 dias

email

trienal.blog@oasrs.org

blogger

Daniel Carrapa
RSS